. .

29 de novembro de 2016

Testemunha revela que disputa por pontos de caça-níquel motivou duplo homicídio no subúrbio do Rio

Os homicídios foram flagrados por uma câmera de segurança
Os homicídios foram flagrados por uma câmera de segurança
Os assassinatos de dois homens, em outubro de 2014, em Honório Gurgel, Zona Norte do Rio, foram motivados por uma ruptura dentro da quadrilha que explora o jogo do bicho e máquinas caça-níquel em dez bairros da mesma região. A revelação foi feita ao nosso PORTAL por uma testemunha, que contou detalhes sobre o grupo em depoimento à Divisão de Homicídios (DH). Na ocasião, Michel Vasconcelos Fernandes e seu segurança, o bombeiro reformado Willian dos Santos Vieira, foram executados dentro de uma loja de autopeças por dois homens vestidos com camisas pretas com a inscrição “polícia”.
Segundo o inquérito da DH ao qual o nosso PORTAL  teve acesso com exclusividade, o alvo dos bandidos era Michel, que trabalhava fiscalizando os pontos de caça-níquel na área da Zona Norte controlada pela quadrilha chefiada por José Caruzzo Escafura, o Piruinha, e seu filho Haylton Escafura. Toda a região, de acordo com o depoimento, é arrendada por Marcelo Simões Mesqueu, o Marcelo Cupim — que seria responsável pela parte financeira —, e seu braço direito, o PM inativo Adriano Maciel de Souza, o Chuca. A ruptura entre Michel, Cupim e Chuca, de acordo com a testemunha, aconteceu a partir de 2012, quando Michel foi preso pela operação Black Ops, da Polícia Federal.
Michel Fernandes rompeu com a quadrilha
Michel Fernandes rompeu com a quadrilha Foto: Reprodução
— Michel e Chuca arrendavam alguns bares na região e dividiam os lucros entre eles. No período em que o Michel esteve preso, Chuca entrou em contato com a família do Michel, entregou dinheiro e disse que a partir de então, ficaria com os bares para ele. Quando o Michel foi solto, em 2013, eles nunca mais se falaram. O Michel virou uma ameaça, porque poderia tentar dominar a área deles — conta a testemunha, que entregou fotografias e endereços de Marcelo Cupim e Chuca a agentes da DH.
A outra vítima do crime, o bombeiro reformado Willian, havia sido contratado como segurança após Michel deixar a prisão. Apesar de identificados, Cupim e Chuca não foram intimados pela polícia.
Imagens foram entregues por testemunha à DH
Imagens foram entregues por testemunha à DH Foto: Reprodução
Por dentro do bando
Marcelo Mesqueu é citado no relatório da operação Black Ops como responsável por arrendar parte da área controlada por Piruinha. Mesqueu não foi indiciado ao final da investigação.
Em março, foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão pela Justiça Federal. Ele é acusado de chefiar quadrilha que explora caça-níqueis em Campos. O nosso PORTAL tentou entrar em contato com Mesqueu e Adriano Maciel de Souza, que não foram localizados.
Há três semanas, o nosso PORTAL mostrou, na série “A guerra do jogo”, que o Rio é dividido entre 11 quadrilhas que exploram jogos de azar.
Segundo testemunha, Mesqueu arrenda a área de Piruinha
Segundo testemunha, Mesqueu arrenda a área de Piruinha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Art. 220º da Constituição Federal: A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.

§ 2º - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.