. .

17 de novembro de 2016

AL: cusados de matar estudante em frente a escola vão a júri nesta sexta (18)


Melkson Douglas e Edvaldo Sabino Fidelis, acusados de assassinar Daise Larissa de Souza, de 14 anos, em 2014, no bairro Santa Lúcia, parte alta de Maceió, vão a júri popular, nesta sexta-feira (18). O julgamento, que será presidido pela juíza Lorena Carla Sotto-Mayor, às 8h, no Fórum da Capital, dá continuidade às ações do Mês Nacional do Júri, iniciado no último dia 3, em todo Brasil.

O crime aconteceu no dia 13 de maio, no bairro da Santa Lúcia, em frente à escola em que a adolescente estudava. De acordo com a denúncia do Ministério Público de Alagoas (MP/AL), os réus teriam assassinado Daise por vingança contra o suposto namorado da vítima, traficante de uma gangue rival dos acusados. 

Outros julgamentos também serão realizados no interior do Estado, nesta quarta-feira. Na Comarca de Passo de Camaragibe, às 8h, José Adenilson dos Santos vai a julgamento pela tentativa de homicídio contra Nanci Maria de Melo, ocorrida no dia 29 de janeiro de 2006. O crime teria ocorrido devido a uma discussão entre o réu e a filha da vítima, quando o réu pegou uma espingarda e a ameaçou. O júri será comandado pelo juiz Kleber Borba Rocha.

Em Olho D'Água das Flores, Nivaldo Paulo da Silva será julgado, às 14h, pelo assassinato de Acilon dos Santos, no dia 15 de dezembro de 2011, desferindo vários golpes de canivete. O julgamento será conduzido pelo juiz Alfredo dos Santos Mesquita. 

Mês Nacional do Júri

A ação é promovida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A iniciativa visa julgar réus por crimes dolosos contra a vida, com preferência para processos que começaram a tramitar até dezembro de 2009, conforme definido pela Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Art. 220º da Constituição Federal: A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.

§ 2º - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.