. .

9 de outubro de 2016

Terrorista tenta matar família de pastor, mas acaba vendo a Jesus

Al-Rashid era o comandante de um grupo islâmico radical, que desejava converter todos ao Islã e fazer todas as nações submeterem-se ao domínio muçulmano. Depois de ouvir relatórios seguidos de muçulmanos trocando Maomé por Jesus, decidiu criar uma força-tarefa para rastrear os líderes cristãos que eram responsáveis por isso. O objetivo era fazer esses homens se converterem ao islamismo ou matá-los, caso se recusassem. Foi quando soube que o pastor Paul, um ex-muçulmano que agora liderava um ministério de evangelização em diferentes partes do mundo. De fato, Paul e sua equipe distribuem Bíblias em muitas línguas e ajudam na formação de igrejas domésticas subterrâneas em países onde o evangelho é proibido. Após acompanhar os passos do pastor, Al-Rashid traçou um plano para matar a família dele e depois sequestrar o líder cristão, forçando-o a voltar para o Islã. Todas as tentativas de levar isso adiante fracassaram. “Nós atacamos várias vezes”, conta o extremista, “mas eles escapavam milagrosamente.” Certa noite foi até a casa da família pastoral à noite, desejando matar a todos, mas chegando lá viu o que pareciam ser muitos soldados ou homens armados ao redor do local, e por isso desistiu. Depois soube que não havia ninguém do lado de fora da casa naquela noite, o que o deixou intrigado. Tempos mais tarde, Al-Rashid descobriu que a família do pastor estava passando por necessidades, incluindo falta de alimentação adequada para os filhos. Decidiu enviar uma mulher para entregar uma comida envenenada para eles. Contudo, na metade do caminho ela foi atacada por um cão, ficou seriamente ferida e nunca entregou os pacotes.

Decidiu então enviar uma segunda mulher, que deu chocolate com veneno para os filhos do pastor Paul. Mesmo depois de comer, eles sobreviveram, mas a menina ficou muito doente e foi internada. “Eu estava assistindo, junto com dois outros homens de longe, para ver se ela morreria no hospital. Nosso plano era sequestrar o corpo dela”, conta Al-Rashid. Foi então que aconteceu algo inesperado. “Vi uma bola de luz descer do céu e repousar sobre o quarto onde a filha dele estava deitada, inconsciente”, lembra. Sem entender o que estava acontecendo, percebeu claramente que uma mão saiu da bola de luz e tocou a filha do pastor. A menina imediatamente recuperou a consciência e se levantou. Explica que a imagem daquela mão com um buraco no meio da mão e sangue que escorria dela o impressionou. “Eu tremia de medo”, diz Rashid. “Fiquei tonto e caí.” Depois dessa visão incomum, o líder terrorista passou a ter dificuldades para dormir. Toda vez que fechava os olhos por muito tempo, lembrava daquela mão. Algumas noites depois, a sombra de um rosto humano apareceu junto com a mão e lhe perguntou por que ele o estava “pregando”. “Eu perdi a minha paz”, recorda Al-Rashid. Lembrou então que tinha uma Bíblia em seu quarto, que consultava de vez em quando para fazer críticas ao cristianismo e tentar demonstrar a superioridade do Islã. Abrindo ao acaso, seus olhos caíram no texto de João 1: 9-10: “Estava chegando ao mundo a verdadeira luz, que ilumina todos os homens. Aquele que é a Palavra estava no mundo, e o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o reconheceu”.

“Naquele momento eu entendi o que falavam sobre Jesus”, diz ele. Compreendeu que a luz que vira era realmente Jesus, que sangrou por ele quando foi pregado na cruz. Perturbado, Al-Rashid procurou o pastor Paul e contou tudo. Para sua surpresa, recebeu um abraço e ouviu do líder cristão, com lágrimas escorrendo pelo rosto, que estava perdoado. Naquela noite, Al-Rashid entregou sua vida a Jesus Cristo e nasceu de novo. Agora dedica sua vida para evangelizar muçulmanos que, como ele, estão enganados. Trabalhando com o ministério Bibles for Mideast [Bíblias para o Oriente Médio], hoje conta seu testemunho de como foi alcançado pelo amor de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Art. 220º da Constituição Federal: A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.

§ 2º - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.