. .

1 de outubro de 2016

Delegado diz que atirador planejou atentado em Itumbiara (GO)


O delegado da Superintendência da Polícia Judiciária de Goiás, Gustavo Carlos Ferreira, disse nesta sexta-feira, 30, que o autor dos tiros que mataram o candidato a prefeito de Itumbiara, José Gomes da Rocha (PTB) e feriram o vice-governador do Estado, José Eliton (PSDB), planejou o atentado. 

Segundo ele, o atirador se posicionou à frente do trajeto da carreata e esperou cerca de dez minutos até a chegada do veículo em que estavam os políticos. "As imagens que obtivemos e os depoimentos mostram ter havido um planejamento mínimo e que ele sabia bem o que estava para fazer, bem como as possíveis consequências", afirmou. 

O autor dos disparos que mataram também um policial militar e feriram um advogado da prefeitura foi morto pelos policiais que faziam a segurança da carreata. Ele foi identificado como o funcionário municipal Gilberto Ferreira do Amaral, de 53 anos. De acordo com o delegado, houve relatos de uma discussão acirrada envolvendo Amaral e o candidato antes do crime. 
O servidor entrou com ação contra a prefeitura, há vários anos, para reclamar horas extras e desde então virou desafeto de Zé Gomes. Segundo o policial, ainda é preciso confirmar se houve o entrevero. 

O prefeito de Itumbiara, Francisco Domingues de Faria (PTB), conhecido como Chico Balla, disse que Amaral, tinha experiência com armas, pois costumava caçar capivaras. Segundo ele, o servidor estava licenciado da prefeitura e trabalhava como cabo eleitoral para um candidato a vereador adversário de Zé Gomes. A Secretaria da Segurança Pública de Goiás destacou uma força-tarefa com 13 delegados e mais de 50 policiais para investigar o caso. 
Uma equipe da Polícia Federal com três delegados e dez agentes também está na cidade. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Art. 220º da Constituição Federal: A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.

§ 2º - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.